11/11/2014

Fernando Bisan / Sesc Campinas

3 comentário(s)

A colheita urbana do Mesa Brasil: combatendo a insegurança alimentar e evitando o desperdício

O dia no Mesa Brasil do Sesc Campinas começa bem cedo. Ao chegarmos na Unidade, às sete da manhã, o “Trio Silva”, elencado pelos ajudantes gerais Ailton Silva e Áster Silva, com a ajuda do motorista André Silva, finalizam os últimos detalhes para conduzir os dois caminhões do Mesa até os locais onde os alimentos serão colhidos. A nutricionista Lilian Rocha, Coordenadora do Programa Mesa Brasil em Campinas, também seguirá conosco pelo trajeto de um dos caminhões.

Colheita

Nossa primeira parada é o Tenda Atacado – Loja Amoreiras, uma rede de lojas que atua na capital e no interior de São Paulo. Adentramos no prédio através dos “bastidores”, por onde entram e saem caminhões, motoristas, carregadores e entregadores, responsáveis pelo transporte de produtos dos “baús” dos caminhões e prateleiras de estocagem, com destino ao salão de vendas, onde serão comercializados.

Os alimentos a serem selecionados pelos ajudantes do Mesa estão próximos a uma das docas de carga e descarga, acomodados em caixas plásticas, próprias para o transporte de vegetais. O olho clínico de Ailton logo reconhece, com incrível familiaridade, o que ainda pode ser aproveitado. Ele mostra quais características apresentam um legume estragado ou porque determinado tomate, apesar de amassadinho, ainda serve para preparar um delicioso molho. Enquanto explica esses detalhes, o ajudante separa os vegetais aproveitáveis nas caixas brancas do Mesa que, antes de serem preenchidas, são revestidas por um saco plástico transparente. Este saco facilitará a entrega e armazenagem dos alimentos nas instituições sociais que serão atendidas no período vespertino.

Frutas

Lilian se ocupa em conversar com os funcionários do Tenda que acompanham o nosso trabalho. Ela reforça detalhes sobre o funcionamento do Programa e propõe alternativas para o combate ao desperdício. É importante lembrar que, apesar do Mesa se valer de alimentos que não atendem a determinadas condições de comercialização, a ideia é incentivar os parceiros doadores de alimentos a desperdiçarem cada vez menos, destacando assim o caráter educativo do Programa. 

A segunda parada acontece no Supermercado Pague Menos, onde o simpático Aparecido, mais conhecido como Cidinho, nos recebe na doca de carga e descarga. A sensibilidade da equipe do Supermercado Pague Menos é tanta que há um local específico para armazenar os alimentos que serão coletados pelo Mesa, com sinalização e tudo mais. Essa organização facilita o trabalho dos ajudantes, que logo enchem as caixas com tomates, pepinos e cebolas.

Nossa próxima parada é a Calusne Farms - Artesãos do Campo, outro parceiro doador assíduo e também o geograficamente mais distante de todos, localizado na zona rural, próximo à Rodovia dos Bandeirantes. O deslocamento do Pague Menos até o sítio leva aproximadamente 25 minutos, passando literalmente por baixo da Rodovia dos Bandeirantes, com direito a estrada de paralelepípedo e um longo trecho em estrada de terra batida.

A Calusne Farms produz verduras higienizadas, ervas finas, brotos e flores comestíveis, entre outras culturas. As hortaliças reservadas para o Mesa, no caso alfaces, já estavam separadas em caixas e não havia razão para descartar uma folha sequer: todas estavam higienizadas e fresquinhas! Neste caso, o único trabalho dos ajudantes é transferir as alfaces para as caixas do Mesa. Nossa equipe resolve deixar de lado o caderno de anotações e a câmera fotográfica para colocar a mão na massa, auxiliando na transferência das alfaces. Assim, o trabalho é concluído num curto espaço de tempo.

Antes de partirmos, Lilian encontra Silvia, uma das sócias da fazenda, que nos convida para um rápido passeio pela propriedade. As estufas de flores comestíveis são de uma beleza singular. Em poucos minutos, fotografamos uma grande variedade de espécies.
De volta à estrada, nosso destino final é o Enxuto Supermercados, situado no Jardim Aurélia. A colheita é farta: bananas, nectarinas, mexericas, maçãs e até alho-poró! Ao todo, 240 Kg de alimentos serão aproveitados.

Distribuição

Após o almoço no Sesc, é hora de distribuir os alimentos nas instituições sociais cadastradas no Programa Mesa Brasil. O caminhão acompanhado por nossa equipe no período da manhã passará por quatro delas, começando pela Casa Antônio Fernando dos Santos, uma instituição destinada a acolher pessoas que se encontravam em situação de rua, hoje em busca do resgate da cidadania e da reinserção social.

Quem pensa que a ação do Mesa se resume à distribuição de alimentos está completamente enganado! Nessa instituição por exemplo, é realizado junto às cozinheiras e moradores um trabalho de educação alimentar, onde os próprios atendidos montam o cardápio da semana. Lilian comenta que, no começo dessa iniciativa, predominavam as frituras e os embutidos. Porém, após os encontros sobre as vantagens de uma alimentação balanceada, os próprios moradores perceberam a importância de diversificar o cardápio, para ter uma vida mais saudável. Assim, passaram a incluir na refeição maior variedade de hortifrutis. Esse trabalho também representa um importante papel no sentido de promover a autonomia das pessoas atendidas, contribuindo assim para o resgate da dignidade.

Nossa segunda parada é o Convívio Aparecida II, abrigo de crianças em situação de vulnerabilidade social. Lá, somos recebidos pela Dona Tina, uma das cozinheiras que participaram do Receitas de Vida, livro publicado em 2012 pelo Sesc Campinas, reunindo depoimentos e receitas das cozinheiras que trabalham nas instituições sociais atendidas pelo Programa.

Os Seareiros, uma casa que recebe adultos em situação de rua, é o nosso próximo destino. A cozinha da instituição ficava num lugar de difícil acesso para o transporte das caixas. Por isso, os próprios acolhidos se dispuseram a ajudar, carregando os alimentos até o local de armazenamento. Enquanto esse trabalho é feito, Lilian orienta André, o novo cozinheiro d’Os Seareiros, sobre alguns procedimentos para preservar melhor os vegetais, além de propor algumas receitas com o alho-poró.

A última parada é a Unidade de Apoio Infantil do Centro Corsini, uma instituição que é referência nacional e internacional nas questões relacionadas à Aids e oferece assistência médica, odontológica, atendimento psicossocial e espiritual às famílias e crianças abrigadas. Como nossa chegada se deu através da cozinha, não foi possível ter contato com as crianças, mas por outro lado conhecemos o Seu Antônio, que cuida de uma hortinha no terreno da Unidade. O cultivo dos vegetais é feito por ele e pelas pessoas atendidas no Centro Corsini. As alfaces estavam no ponto e ele fez questão que levássemos uma delas! Após passar o dia colhendo e distribuindo alimentos, receber um presente desses é como ter um resultado palatável de que o nosso trabalho foi bem-sucedido.

Seu Antonio 

Mesa Brasil no Sesc Campinas

O Mesa Brasil foi implementado no Sesc Campinas em junho de 2011. Trata-se da décima unidade operacional do Regional a dar início à colheita urbana. Atualmente, a unidade campineira conta com a participação de 19 empresas doadoras e de 50 instituições cadastradas. Em agosto de 2014, foram atendidas 8.601 pessoas em 47 instituições, somando 20.669 Kg de alimentos arrecadados.

Deixe seu comentário

* Campos obrigatórios

3 comentários

  • Adriana Guimarães 13 de novembro de 2014 às 15:00

    Maravilhoso o trabalho e a boa vontade destes que se pré dispõe a ajudar o próximo. Parabéns.

    Responder
  • joselita dos santos s. bena 30 de março de 2016 às 14:50

    muito útil este trabalho de vocês, parabéns a todos que participam do programa, deus abençõe todos

    Responder
  • MARINÊS RAMOS DE OLIVEIRA COSTA 12 de abril de 2016 às 20:31

    é EXTRAORDINÁRIO AS AÇÕES DOS SESC, PARA O BEM ESTAR DOS MAIS NECESSITADOS. pARABÉNS A TODOS OS FUNCIONÁRIOS DESDE OS DIRETORES ATÉ AOS AJUDANTES.

    Responder