29/07/2015

Guilherme Luiz|Sesc Santo André e Cris Komesu|Mesa Brasil

1 comentário(s)

Conhecer e saborear para poder valorizar


Você já provou os sabores da Amazônia, Cerrado, Mata Atlântica, Caatinga, Pampa e Pantanal? O projeto Sabores do Brasil, que integra a programação do Sesc Santo André, traz oficinas gratuitas mensais, até dezembro, cada uma dedicada a um dos seis biomas brasileiros. Além de apresentar suas particularidades e diversidades, as oficinas comandadas pela nutricionista Rosana Freire e pelo chef Robert Falck terão em todas as edições a preparação e degustação de duas receitas – uma doce e uma salgada.

Ed 11

A primeira oficina, realizada em julho, abordou a Amazônia e suas tradições, lendas, rios e matas. De todas as cozinhas do país, a amazônica é a que mais conservou a herança indígena: “É uma cozinha original brasileira. Lá, ainda se come muito do que o índio comia”, explica Rosana Freire. A mandioca e suas inúmeras variações - da farinha, ainda preparada do modo artesanal, ao beiju-, os grandes peixes de água doce, as frutas e ervas da floresta formam a base da alimentação, que também recebeu influências europeias, em especial de Portugal.

A receita salgada escolhida para a oficina, o Pirarucu de Casaca é um exemplo dessa mescla entre a tradição indígena e o toque português. Nativo da bacia amazônica, o pirarucu é um dos maiores peixes de água doce, chegando a pesar até 200 kg quando adulto. Por isso, é comum que sua carne seja salgada para facilitar o armazenamento e o consumo – o que lhe rendeu o apelido de “bacalhau brasileiro”.

Ed5

O chef Robert Falck mostrou o passo a passo para o prato (confira aqui a receita completa), que leva o peixe frito, banana da terra, farinha d’água, batata palha, pimenta de cheiro. Entre suas dicas para o preparo, estão: evitar o choque térmico durante o dessalgue (que deve ser feito sempre em geladeira, e utilizando a água igualmente gelada para as trocas) e usar a banana “de vez”, ou seja, um pouco antes de estar totalmente madura. De alto custo na região sudeste, o pirarucu pode ser substituído por partes menos nobres do bacalhau ou por outros peixes grandes de água doce.

Cupuacu

Em seguida, o chef preparou a Torteleta de cupuaçu (veja a receita aqui), um fruto de sabor forte, muito consumido na região norte. Feita com a polpa da fruta, queijo e leite condensado, a receita trouxe uma rica combinação de sabores: doce, salgado e azedo.

Depois de aprender o passo a passo das preparações, o público experimentou os dois pratos. Muitos tiveram na oficina a oportunidade de ver alimentos e provar sabores diferentes pela primeira vez.

 Ed9

 

O hábito alimentar pode ser considerado uma marca de diferenças e semelhanças entre as culturas dos povos e é transmitido/aprendido nos núcleos familiares e nas comunidades. Rica em diversidade e sabor, a comida brasileira é uma mistura de ingredientes europeus, dos povos indígenas e africanos com combinações das culturas locais de diversas regiões do país, sendo uma das mais desejadas comidas do mundo.

Com o projeto Sabores do Brasil, a proposta é elevar o sabor, no sentido mais amplo da palavra, com receitas que trazem ingredientes como pirarucu, cupuaçu, carne de cabrito, arroz vermelho, caju, jabuticaba entre outros elementos que compõem a rica diversidade de sabores brasileiros.

Confira a agenda das oficinas do Sabores do Brasil:

- 12/08: Oficina 2 - Cerrado

- 09/09: Oficina 3 – Mata Atlântica

- 07/10: Oficina 4 – Caatinga

- 11/11: Oficina 5 – Pampa

- 9/12: Oficina 6 – Pantanal

As incrições para as atividades são gratuitas e devem ser feitas na Central de Atendimento do Sesc Santo André. Metade das vagas é reservada a representantes das instituições sociais atendidas pelo Mesa Brasil. 

 

Conheça os profissionais:

Chef Robert Falck, hoteleiro com especialização em Gestão de Negócios em Hotelaria. Professor dos cursos de Nutrição e Tecnólogo em Gastronomia do Centro Universitário São Camilo e de Pós-Graduação em Nutrição Clínica na UNIRP. Consultor e assessor em planejamento e organização de operações em restaurantes comerciais.

Drª Rosana Freire, nutricionista com especializações em Administração de Unidade de Alimentação e Nutrição, em Gestão de Negócios, Hotelaria, Padrões Gastronômicos. Mestre em Administração de Empresas. Professora do Curso de Graduação em Nutrição do Centro Universitário São Camilo e de Pós-Graduação do ImeN.

(Fotos: Cris Komesu)

Deixe seu comentário

* Campos obrigatórios

1 comentários

  • LILIAN 20 de agosto de 2015 às 10:39

    EU TIVE O PRAZER DE PRESENCIAR A PRIMEIRA ATIVIDADE. FOI LINDO!!! PARABÉNS!!!

    Responder